domingo, 7 de setembro de 2008

Pra variar um pouco o tema =p

Ode ao Bode


Bé, bé…!

Eu vou cantar pra você

Essa ode é coisa nova

Saca só, você vai ver


O bode quando canta

Faz a minha cabeça rachar

Já o som do dinheiro no bolso

Faz até urubu cantar


Urubu quando canta

É porque algo tá podre, estragado

Urubu canta muito

É lá na câmara dos deputados


Pneu quando canta,

O motorista é barbeiro

E quem canta dor de corno

Canta o dia inteiro


Quem fica famoso cantando

Fica porque pode

Eu, como canto mal pra dedéu

Só canto Ode ao Bode!


-Extraído da obra "Confeitaria", de Tiago Veloso Neves. Todos os direitos reservados.

domingo, 27 de julho de 2008

Esse poema eu compús em homenagem à minha amiga Napnne, que morreu dia 27 de julho de 2007, em um acidente na estrada. Hoje, dia 27 de julho de 2008, 1 ano da morte dela, quero deixar aqui essa minha pequena lembrança dela...

A Flor da Estrada


As coisas acontecem rápido,

Sem a gente esperar

Quem podia prever isso?

Quem podia imaginar?


Daqui eu posso te ver

Sentada no mesmo lugar

Sorrindo quietinha…

…Mas você não está lá


Você mora em corações…

Te deixo aos cuidados de Deus

Pra que você descanse em paz

Junto com os seus


Não me despedi do seu belo rosto

Não me despedi de você

Mas eu agradeço pelo curto período

Em que eu pude te conhecer


Vai nascer uma flor na estrada!

Em homenagem a você, parceira…

Nós não te perdemos, afinal

Você simplesmente fez a viagem verdadeira…


(… E onde ainda há boas lembranças, ainda há vida…)


Extraído da obra "Confeitaria" de Tiago Veloso Neves. Todos os direitos reservados.
Lá em Taquaruçu,na Pedra do Pedro Paulo, recitando um poema da obra de Alberto Caeiro(Fernando Pessoa), "O pastor amoroso". Curtam =) video

domingo, 20 de julho de 2008

Estrada

Não é estranho pra ninguém

A visão cinza,interminável

Que, na minha vida, pelo menos

Tem uma história considerável


Nas férias eu sempre acabo

Tomando um chá de asfalto

De pneu no chão, mas no pensamento

Eu vou voando alto…


Mas tem gente que vive disso

Da estrada, do volante, do motor

Tem a viagem como prazer,

Tem a viagem como amor


A estrada às vezes tá ruim

A estrada às vezes tá boa

Tem pessoas que levam a vida na estrada

Tem estradas que levam a vida das pessoas…


Mas é sempre estrada. É sempre viagem.

É a marca comum do meu passado

É a ligação das minhas lembranças

Com os lugares por onde eu tenho passado



-Extraído da obra "Confeitaria" de Tiago Veloso Neves. Todos os direitos reservados

terça-feira, 8 de julho de 2008

Verso sincero


Olhe nos meus olhos,

E diga a verdade

Diga de uma vez

Não diga nada pela metade


Se não for a verdade,

Fique sem dizer

Se não for de verdade,

Eu já não quero saber


Eu sou sincero

Porque prefiro assim

Eu não escondo de você

Então não esconda de mim


Vou olhar pro sol

E queimar com o brilho sincero

Assim eu encaro a verdade

É isso que eu espero


Me engano e me descubro

Diferente o "agora" daquilo que foi

Pois quando estava iludido

Descobri logo depois



-Extraído da obra "Confeitaria", de Tiago Veloso Neves, todos os direitos reservados.

domingo, 6 de julho de 2008

Pois é...Como eu disse, o Lançamento Oficial do livro "Confeitaria" foi no 4º Salão do Livro, dia 10 de Maio desse ano...No 1º sábado do evento...
Pra quem não sabe, o Salão do Livro de Palmas tem um espaço chamado Café Literário, que é destinado a lançamentos de livros, a pequenas palestras, a exposição de trabalhos artísticos, etc... Tive a oportunidade de lançar o livro lá, e foi muito bom..o espaço é muito bonito, facilita de ficar à vontade =p
Acompanhado por pessoas fiéis (Rapha e Maisa), esperei sentado à uma das mesas a hora de me apresentar...na hora certa, fui lá na frente e me apresentei, junto com meus 43435763475658683 apelidos, e recitei alguns poemas do livro... Hino das Despedidas, Estrada, Carta para Raphael Assunção, e Déjà vu de um Déjà vu... A platéia apaludiu com vontade, e eu tive uma surpresa: cada escritor que lança livros lá no Salão tem que disponibilizar 9 livros pra serem distribuídas sem custo para a platéia, como forma de divulgação e incentivo à leitura. Aí eu anunciei que os livros estariam disponíveis ali em cima de uma das mesas do Café e eu estaria autografando se alguém quisesse... Quando eu parei pra olhar o povo tinha pego os livros correndo e formado uma fila pra eu dar uma rabiscada o.0
Em resumo..foi ótimo =p... Também pelo apoio dos amigos presentes lá, que a ajudam a gente a se sentir em casa quando se apresenta em um lugar pela primeira vez... E pow, era o Salão do Livro, então o motivo pra estar nervoso era dobrado!! huaauauhaau....
Galera, quem quiser adquirir o livro pode procurá-lo nas livrarias Palmas Cultural, Autêntica, e na Revistaria Online do Palmas Shopping, ou entrem em contato comigo. O livro está "apenasmente" 15 reais...busquem, adiquiram, apreciem =)
Confiram aí gente..o vídeo desse dia, com eu recitando Hino das Despedidas, e Estrada...O áudio tá meio cabuloso, mas espero que dê pra entender alguma coisa =p

Abraços a todos!!! video

quinta-feira, 3 de julho de 2008


Olá pra todos!!! Este é o Blog Rabiscação... Meu nome é Tiago Veloso Neves e eu fiz este blog pra divulgar as minhas idéias resumidas nas coisas que eu escrevo..neste caso, em poesia =p
Estarei divulgando aqui as poesias deste meu primeiro livro publicado, que se chama "Confeitaria"..publiquei ele ano passado, mas fiz o lançamento somente nesse último Salão do Livro, dia 10 de Maio...depois eu posto fotos e vídeos de lá, foi um dia muito doido o/
Abri o Blog com o poema "A Sua Ausência, uma pena", pq é uma das favoritas do meu livro...quem tá chegando ao Blog agora, confira o post passado, vale a pena ;)

Vou encerrar este post com outro poema do livro, bem diferente do último. Abraço a todos e bem-vindos
ao Rabiscação!!!!

Hiperbólico

“Nesse momento célebre, sublime, solene e magnânimo

Resolvi pegar minha lapiseira

Pra falar de uma verdade cruel, psicopata, sanguinária,

Criminosa e carniceira:


O tempo passa.


Por isso, quando eu tô à toa, sem fazer nada, morgando,

Parado e desocupado

Me dá uma coisa angustiante, preocupante, perfurante,

Dilacerante, inquietante… E eu fico incomodado


Por isso nos reunimos: eu, comigo, eu mesmo, myself,

Yo, e moi, e a gente decidiu se mover!

Fomos lá perto do Limpão, na esquina da estrada

Do ladinho do muro do beco da… É por ali, é só descer!


Mas peraí… Esse lugar é muito secreto, reservado,

Isolado e escondido… Não era pra você saber!

Mas tudo bem… Pra não ficar à toa

Vim nesses versos, passar meu tempo com você”


-Extraído da Obra "Confeitaria" de Tiago Veloso Neves, todos os direitos reservados.

terça-feira, 1 de julho de 2008

A Sua Ausência, uma Pena


Acabou que eu quis tomar fôlego de novo

Só pra te lembrar, só pra dizer

Que eu ainda sou a favor da idéia

De passar meu tempo abraçado com você


A gente nem tem tanto tempo, né?

Mas, cada minuto, a gente pode fazer valer

Deixa o medo de lado

Eu creio que dá certo, você também pode crer


Começa uma história comigo

É uma boa hora pra começar

Pertinho dessa sua pele branquinha

Desses olhos que eu adoro olhar


Eu acho que nós nos encontramos

Um no outro, nitidamente

Por isso eu acho que daria certo

Se fosse não ‘eu’, não ‘você’, mas sim ‘a gente’


Isso são coisas que eu escrevi

Na minha falta de você

Pra chegar mais uma vez a ti

E tentar te convencer...


-Extraído da Obra "Confeitaria", de Tiago Veloso Neves, todos os direitos reservados.